Principal

Indústria da Paraíba pode crescer até 8%

Presidentes de entidades ligadas ao setor industrial avaliam medidas como positivas, mas não suficientes para resolver os problemas do segmento.

 

industriaAs perspectivas da indústria paraibana para 2012 não eram as melhores. Mesmo com o crescimento de 5% registrado no ano passado, percentual acima do atingido pelo setor em nível nacional (1,6%), a projeção era de manutenção desta mesma taxa no atual exercício. Mas com as medidas anunciadas ontem pelo governo federal deverão incrementar em 2 a 3 pontos percentuais o índice do setor neste ano, segundo o Centro das Indústrias do Estado da Paraíba (Ciep), o que representa um crescimento de 8% neste ano.

O presidente do Ciep, João da Mata, alega que o governo demonstrou "bom senso" com as medidas apresentadas para a revitalização da indústria nacional. No entanto, os maiores gargalos para nossa produção industrial não foram atingidos com as propostas, segundo ele. "Nosso desejo é que seja reduzida a importação de produtos e que possamos ter mão de obra mais qualificada", destaca João da Mata.

Já o presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais da Paraíba (Face-PB), Alexandre Beltrão, descartou a efetividade das políticas apresentadas ontem. "Primeiramente, a economia paraibana precisa de ações conjunturais, isto inclui incentivos à produção agrícola, que tem grande projeção na economia do Estado", comentou.

A eficácia das medidas foi também minimizada por Alexandre devido, em segundo ponto, aos incentivos já recebidos pela indústria paraibana com o apoio da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). Mesmo sem estimar o percentual de crescimento das empresas nordestinas, o presidente da Face-PB acredita que "boa parte destes benefícios já são concedidos às empresas do Nordeste, então o impacto na região será minimizado".